Início » Arte » Segundas intenções

Segundas intenções

Ed. Rocco

segundas intenções livro

“Há purezas que são devassas e há depravações que são santas. Há naturalidades que são falsas e há invenções que são originais. Tudo dependerá de onde estiver a intenção, no seu lugar de primeira ou de segunda”, diz o autor, que convida os leitores a se reconhecerem em suas segundas intenções. Ao aproximarmos o corpo e a alma, somos capazes de eliminar os efeitos colaterais da inveja e do assédio, descobrindo as dimensões do amor, da tolerância, do educar e da esperança. Será decretado, então, o fim da vergonha.

Mais de uma década depois de lançar A alma imoral, o rabino Nilton Bonder apresenta um contraponto ao bestseller que foi transformado em peça de teatro: Segundas intenções, livro no qual ele dá voz ao corpo para que este se defenda dos excessos cometidos pela alma. A obra nasceu do desejo de se aproximar do comportamento humano e reconhecer nele uma natureza ambígua, que mescla verdades e mentiras para formar a essência de cada um.

De acordo com o rabino, enquanto a alma anseia por ser livre, o compromisso do corpo é com a verdade. Cabe a ele criticar a alma para que esta consiga administrar bem o equilíbrio. Ao longo de cinco capítulos, Bonder fala de impulsos, motivação, honestidade e consciência, discutindo conceitos como compromisso e livre-arbítrio. Para o autor, a moral ou a malícia podem se manifestar tanto no vício quanto na virtude.

Segundo Bonder, a intenção é produzida no presente e interfere na qualidade de ações e reações. E nela, o ser humano se revela e ganha identidade. Desta forma, conforme nos tornamos mais responsáveis por nossos atos, aumenta nossa capacidade de nos culpar ou desculpar, bem como de perceber os motivos que nos levam a fazer algo. Quando avaliamos negativamente nossas atitudes, nos sentimos culpados. Caso o balanço seja positivo, o sentimento é de realização.

Nossas segundas intenções, então, revelam o impulso dentro do impulso, o que quereríamos por trás do desejo. Bonder alerta que é preciso tomar cuidado com essas segundas intenções: sua função é administrar o desejo e a vergonha em um único momento, mas não passam de imagens e representações. É preciso tentar fazer com que voltem à condição de primeiras intenções, permitindo que a consciência recupere seu potencial criativo. Para o rabino, a verdadeira essência da vida está no uso e não na posse.

“Há purezas que são devassas e há depravações que são santas. Há naturalidades que são falsas e há invenções que são originais. Tudo dependerá de onde estiver a intenção, no seu lugar de primeira ou de segunda”, diz o autor, que convida os leitores a se reconhecerem em suas segundas intenções. Ao aproximarmos o corpo e a alma, somos capazes de eliminar os efeitos colaterais da inveja e do assédio, descobrindo as dimensões do amor, da tolerância, do educar e da esperança. Será decretado, então, o fim da vergonha.

[Extraído do site http://www.cjb.org.br/livros.htm]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: