Uma edição muito particular da poesia de Renato Russo no álbum “Dois”, de 1986

Uma edição muito particular da poesia de Renato Russo no álbum “Dois”, de 1986

Renato-Russo-2a

Numa tarde de sábado, entre 1986 e 1987, eu passeava na Redenção, em Porto Alegre, quando encontrei Renato Russo que estava na cidade para uma apresentação no ginásio Gigantinho. Ele me deu autógrafo em que grafou vários ícones e só uma palavra: Força! Assinou “Russo”. Para muitos da minha geração e das gerações seguintes que teimam em não ouvir e não ler o que Russo escreveu na vida (e sobre a vida), eu fiz essa transcrição das letras do álbum “Dois”, de 1986 – que é um marco na minha trajetória e um dos maiores discos da história da música brasileira. Renato Russo tinha, à época, 26 anos. Me dei conta que ouvindo o álbum do fim para o início há ali uma prosa poética ao estilo (perdoem-me os puristas) de Walt Whitman. Percebam como eu considero o Walt Whitman. [Contém ironia]. Só não transcrevi três faixas do álbum – uma delas, o maior sucesso radiofônico; e outra que foi faixa bônus. Uma quarta também ficou de fora por ser apenas instrumental. Fica o desafio para os admiradores (ou mesmo detratores) do Legião identificar quais as que deixei de fora e o motivo – com a dica fica fácil, né? E relembrem o porquê da lírica do profético Russo ser considerada a maior entre os roqueiros da geração dele. P.S.: Outro motivo que me levou a este exercício de edição foi constatar o quanto o filme “Bohemian Rhapsody” tem servido para criar uma nova geração de fãs do Queen e de Freddie Mercury – que foi outro grande. Mas, crianças, vejam só o que temos em casa e muita gente não ouve por puro preconceito estético.

“Quem me dera, ao menos uma vez, ter volta todo o ouro que entreguei a quem me convenceu que era prova de amizade se alguém levasse embora até o que eu não tinha. Quem me dera ao menos uma vez explicar o que ninguém consegue entender, que o que aconteceu ainda está por vir e o futuro não é mais como era antigamente. Quem me dera ao menos uma vez provar que quem tem mais do que precisa ter quase sempre se convence que não tem o o bastante e fala demais por não ter nada a dizer. Quem me dera ao menos uma vez que o mais simples fosse visto como o mais importante. Eu quis o perigo e até sangrei sozinho.

Nosso dia vai chegar. Teremos nossa vez. Não é pedir demais. Quero justiça. Deve haver algum lugar onde o mais forte não consegue escravizar quem não tem chance. De onde vem a indiferença, temperada a ferro e fogo? Quem guarda os portões da fábrica? O céu já foi azul mas agora é cinza. E o que era verde aqui já não existe mais. Quem me dera acreditar que não acontece nada! De tanto brincar com fogo, que venha o fogo então!

Às vezes parecia que, de tanto acreditar em tudo que achávamos tão certo, teríamos o mundo inteiro e até um pouco mais. Faríamos floresta do deserto e diamantes de pedaços de vidro. Mas percebo agora que o teu sorriso vem diferente, quase parecendo te ferir. Às vezes parecia que era só improvisar e o mundo então seria um livro aberto. Até chegar o dia em que tentamos ter demais vendendo fácil o que não tinha preço. Eu sei… é tudo sem sentido. Quero ter alguém com quem conversar. Alguém que, depois, não use o que eu disse contra mim. Nada mais vai me ferir, é que eu já me acostumei com a estrada errada que eu segui, com a minha própria lei. Tenho o que ficou. E tenho sorte até demais; como sei que tens também.

Em cima dos telhados, as antenas de TV tocam música urbana. Nas ruas, os mendigos com esparadrapos podres cantam música urbana. Motocicletas querendo atenção às 3 da manhã é só música urbana. Os PMs armados e as tropas de choque vomitam música urbana. E nas escolas as crianças aprendem a repetir a música urbana. Nos bares, os viciados sempre tentam conseguir a música urbana. O vento forte, seco e sujo em cantos de concreto parece música urbana. E a matilha de crianças sujas no meio da rua, música urbana. E nos pontos de ônibus, estão todos ali: música urbana. Os uniformes, os cartazes, cinemas e os lares, favelas, coberturas, quase todos os lugares… e mais uma criança nasceu! Não há mentiras nem verdades aqui, só há música urbana.

Sente o desafio! E provoque o desempate! Desarme a armadilha e desmonte o disfarce. Se afaste do abismo. Faça do bom senso a nova ordem. Não deixe a guera começar. Pense só um pouco: não há nada de novo. Você vive insatisfeito e não confia em ninguém. E não acredita em nada, e agora é só cansaço e falta de vontade. Mas faça do bom-senso a nova ordem.

Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou. Mas tenho muito tempo. Temos todo o tempo do mundo. Todos os dias antes de dormir, lembro-esqueço como foi o dia. Sempre em frente. Não temos tempo a perder. Nosso suor sagrado é bem mais belo que esse sangue amargo. E tão sério e selvagem. Selvagem! Veja o sol dessa manhã tão cinza – a tempestade que chega é da cor dos teus olhos: castanhos. Então me abraça forte e diz mais uma vez que já estamos distantes de tudo. Temos nosso próprio tempo. Não tenho medo do escuro mas deixe as luzes acesas – agora! O que foi escondido é o que se escondeu e o que foi prometido ninguém prometeu. Nem foi tempo perdido: somos tão jovens, tão jovens, tão jovens!

É saudade então e mais uma vez. De você fiz o desenho mais perfeito que se fez. Os traços copiei do que não aconteceu. As cores que escolhi, entre as tintas que inventei, misturei com a promessa que nós dois nunca fizemos de um dia sermos três. Trabalhei você em luz e sombra. E era sempre: “Não foi por mal. Eu juro que nunca quis deixar você tão triste”. Sempre as mesmas desculpas e desculpas nem sempre são sinceras – quase nunca são. Preparei a minha tela com pedaços de lençóis que não chegamos a sujar. A armação fiz com madeira da janela do seu quarto; do portão da sua casa, fiz paleta e cavalete. E com lágrimas que não brincaram com você, destilei óleo de linhaça. Da sua cama arranquei pedaços que talhei em estiletes de tamanhos diferentes. E fiz, então, pincéis com seus cabelos. Fiz carvão do batom que roubei de você e com ele marquei dois pontos de fuga, e rabisquei meu horizonte. Mas, então, por que eu finjo que acredito no que invento? Nada disso aconteceu assim, não foi desse jeito. Ninguém sofreu. É só você que me provoca essa saudade vazia, tentando pintar essas flores com o nome de amor-perfeito e não-te-esqueças-de-mim.

Tenho andado distraído, impaciente e indeciso. E ainda estou confuso, só que agora é diferente: estou tão tranquilo e tão contente. Quantas chances desperdicei quando o que eu mais queria era provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém. Me fiz em mil pedaços pra você juntar e queria sempre achar explicação pra o que eu sentia. Como um anjo caído fiz questão de esquecer que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira. Mas não sou mais tão criança a ponto de saber tudo. Já não me preocupo se eu não sei por que às vezes o eu vejo quase ninguém vê. E eu sei que você sabe, quase sem querer, que eu vejo (que eu quero) o mesmo que você. Tão correto e tão bonito, o infinito é realmente um dos deuses mais lindos. Sei que às vezes uso palavras repetidas mas quais são as palavras que nunca são ditas? Me disseram que você estava chorando e foi então que percebei como lhe quero tanto.

Aquele gosto amargo do teu corpo ficou na minha boca por mais tempo. De amargo, então salgado ficou doce – assim que o teu cheiro forte e lento fez casa nos meus braços. E ainda leve, forte, cego e tenso fez saber que ainda era muito e muito pouco. Faço nosso o meu segredo mais sincero e desafio o instinto dissonante. A insegurança não me ataca quando erro e o teu momento passa a ser o meu instante. E o teu medo de ter medo de ter medo não faz da minha força confusão. Teu corpo é meu espelho e em ti navego. E eu sei que a tua correnteza não tem direção. Mas, tão certo quanto o erro de ser barco a motor e insistir em usar os remos, é o mal que a água faz quando se afoga – e o salva-vidas não está lá porque não vemos.”

Renato Russo
Legião Urbana
“DOIS” – 1986

Anúncios

“1983” | TRAMA DE SÉRIE POLONESA FICCIONA CRIMES DA DITADURA ARGENTINA

 

1983

Foto: Krzysztof Wiktor

Série distópica da Netflix, produzida na Polônia, tem como plot os sequestros de filhos de militantes de Esquerda durante a ditadura na Argentina. | Primeiro vamos lembrar da história. No início da década de 1980, o mundo tinha o primeiro Papa polonês, Karol Wojtyła (João Paulo II) que foi decisivo, junto com Lech Wałęsa, líder do Sindicato Solidariedade – e com a CIA e a OTAN – para o enfraquecimento da influência soviética e, ao fim da década, para a queda da Cortina de Ferro.

A série original da Netflix ‘1983’ propõe uma “distopia” em que ao invés da “mudança de regime”, o Partido Comunista acaba aumentando a vigilância e o controle sobre a população.

A história se passa em 2003, com muitas voltas no tempo a 1983, e mostra a atividade de um grupo revolucionário formado por filhos de opositores que foram executados. As crianças foram “adotadas” por famílias ligadas ao partido após o extermínio da oposição. O grupo revolucionário se autodenomina Brigada Ligeira e seu modus operandi é recrutar os jovens que tiveram seus pais biológicos mortos para que eles, infiltrados no establishment, promovam atos terroristas, desestabilizem o governo e cometam assassinatos de lideranças do regime, a começar pelos seus pais adotivos.

Vejam como a Indústria Cultural (nos termos conceituais da Escola de Frankfurt) é amoral e pode ser cruel. Quem conhece a história da América Latina sabe bem que o genocídio de 30 mil opositores da ditadura argentina (1976-1983) se deu por um regime fascista que perseguiu diretamente militantes socialistas e comunistas. Ainda que se entenda que (quase) tudo é legítimo em ficção; que, filtrados todos os componentes relativos às diferenças ideológicas entre a história argentina e essa distopia televisiva polonesa, é importante contar sobre os crimes de regimes totalitários; e que, num dos episódios, o personagem que é comandante da polícia política faça textualmente a relação da trama com o que houve na Argentina… ainda que, ainda que, ainda que… me incomoda demais essa mistura, essa confusão, essa pasteurização de fatos históricos em dramaturgia televisiva.

Os regimes da Cortina de Ferro eram, de fato, totalitários. No entanto, me perturba a transfusão de um episódio monstruoso como o que houve com as famílias de militantes de Esquerda da Argentina para um negativo sociopolítico ficcional polonês, onde tudo se dá ao contrário. Na ficção polonesa, os vilões são os “comunistas”, os filhos sequestrados são de famílias anticomunistas, católicas e democratas.

Há documentários importantes sobre os crimes da ditadura argentina. Para citar apenas dois recentes: “500” e “Hijos”. Me dói, como latino-americano, que tudo esteja tão invertido nesta ficção. Mais uma vez tento filtrar essa crítica imaginando que a correlação faça algum sentido para o povo polonês, que sofreu com os russos, com os nazistas, depois sob o tal “socialismo real” e com a ingerência de Moscou.

Feitas todas as ressalvas, há alguns aspectos interessantes que merecem registro. Primeiro, é claro, o fato de se ouvir polonês na TV – qual foi a última vez que você ouviu essa língua no cinema ou na TV, se é que já ouviu? O outro ponto a se destacar é que a série é bem escrita, com boas atuações e fotografia excelente. E, apesar de aparente contradição, a narrativa é batida e vem da clássica escola norte-americana: detetive de meia idade atormentado e fracassado começa a investigar um suposto suicídio e vai descobrindo que a “estória” é mais complexa.

E a história é ainda bem mais complexa que a série ‘1983’.

A FUGA DISSOCIATIVA DO “NÃO PREOCUPAR-SE”, por Henri Figueiredo

jim carrey

O ator canadense Jim Carrey no documentário “Jim & Andy – The Great Beyond”

“O que as pessoas querem? O que eles querem?”, atormentava-se em determinado momento da carreira o ator canadense Jim Carrey. Até que numa madrugada acordou de um sono profundo e sentou na cama: “Eles querem não se preocupar!”.

Um Jim maduro, elaboradíssimo, articulado e sereno é quem encontramos no documentário “Jim & Andy: The Great Beyond” dirigido por Chris Smith. O filme segue o ator Jim Carrey enquanto se prepara para reviver Andy Kaufman no filme de 1999, Man on the Moon, dirigido por Milos Forman. O lançamento foi no dia 17 de novembro de 2017, na Netflix. Mais de um ano depois, assisti ao documentário e, mais do que conhecer Andy Kaufman, reencontrei Jim Carrey – a quem comecei a prestar atenção, em 1998, com o filme “The Truman Show”. Fiquei fã assumido de Jim Carrey em 2004 com um filme que já nasceu clássico: Eternal Sunshine of the Spotless Mind (Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças), dirigido por Michel Gondry e com roteiro escrito por Charlie Kaufman.

Essa introdução é para registrar que o documentário “Jim & Andy” merece ser visto. Se você é artista cênico precisa vê-lo: o processo criativo (quase de ‘incorporação espiritual’) de Jim Carrey é perturbador.

No entanto, o insight de Jim Carrey, com o qual abri este breve comentário, é sobre o que realmente eu vou escrever.

Ninguém quer se preocupar. E, no entanto, nos preocupamos. Vivemos na gangorra do egoísmo e do altruísmo. Às vezes, a gangorra emperra num dos lados e negligenciamos o outro aspecto da nossa persona social.

Uma saída rápida de sucesso, de aceitação social, como diz Jim, no documentário, “é fingir que se é aquele que não se preocupa e que não preocupa os outros”. Pura representação. Mas “o público” adora parar de se preocupar, precisa escapes, precisa dessa “fuga dissociativa” da realidade.

As redes sociais, em especial quando se trabalha nelas – para além do mero entretenimento –, revela de maneira crua essa tendência à fuga dissociativa da realidade. Um texto conjuntural (pessoal ou impessoal) tanto mais terá interação quanto mais “leve” for. Problematizações, análises que não se concluem nem dão respostas fáceis, o cultivo da dúvida e não das certezas, tudo isso “pré-ocupa”. E, portanto, tem um público restrito.

Jogos, divinações, brincadeiras, passatempos “desopilam” – que vem, exatamente, de ‘deixar fluir do fígado a bile negra que causaria a melancolia’. O que acontece se não conseguirmos mais conectar e lidar com nada denso?

Em seu ensaio “Tudo o que é sólido desmancha no ar”, Marshall Berman – além, é claro, da referência direta a Marx e Engels – anota: “Tudo o que era sólido se desmancha no ar, tudo o que era sagrado é profanado, e as pessoas são finalmente forçadas a encarar com serenidade sua posição social e suas relações recíprocas”.

Se eu faço, portanto, das redes sociais um megafone cibernético para as minhas aflições estou sendo leviano, sincero, egoísta ou corajoso? Se, das redes, eu busco apenas os “likes” – a droga do século –, a popularidade, a influência “leve” dos passatempos e curiosidades de almanaque, estou sendo sincero, egoísta, corajoso ou leviano?

Tudo o que é sólido se ressignifica nas redes.

E a sociedade do espetáculo, como no Show de Truman, nos exige tamanha (e acrítica) entrega que vão se formando as fissuras e as lacunas no que realmente somos. Mas o que realmente somos? Uma mente com lembranças? Um brilho eterno? Uma faísca, um reflexo num átimo de pó?

O DIA EM QUE CONHECI OLAVO DE CARVALHO ou “OLAVO, DEFINA UM TRIÂNGULO”

Não lembro ao certo o ano, nem vou me dar ao trabalho de pesquisar porque o fato se deu, com certeza, entre 1996 e 1999 – ou seja, numa era pré-Wikipedia e outros utilitários cibernéticos contemporâneos. Foi durante um painel com autores promovido pela então gigantesca e prestigiada Feira do Livro de Porto Alegre – hoje muito combalida. O evento aconteceu no Clube do Comércio – prédio histórico localizado na Praça da Alfândega. Por essa época, Olavo tinha lançado “O imbecil coletivo: atualidades inculturais brasileiras”; era colunista em alguns dos principais jornais do Brasil e Porto Alegre o aguardava, acreditem, como uma celebridade emergente.

Me interessava pelo estilo provocador de Olavo como articulista,a la Paulo Francis (aquele sujeito das trevas). Assim como o próprio Francis, Olavo fazia questão de usar como marketing pessoal o fato (fato?) de ter sido um militante comunista na juventude, ligado ao PCB. Eu, como a plêiade de jovens leitores que eram meus amigos à época, ou como a turba de jovens leitores que depois de ler Olavo acreditam terem visto “a luz” hoje em dia, não ligava muito para método científico, formação política clássica ou mesmo o pensamento crítico. Ou seja, ingênuo era uma presa fácil para o charlatão.

Tive a sorte de estar, naquela tarde, na agradável companhia do saudoso amigo José Otávio Ferlauto, o conhecido jornalista ‘das antiga’ Dedé Ferlauto – este sim, um intelectual. Dedé se animou com a ideia de assistir ao painel de Olavo, mas por motivos diferentes do meu interesse de espectador adestrado pela mídia local.

Após ouvirmos cerca de uma hora e meia de asneiras e platitudes do Olavo de Carvalho – e de assisti-lo ser grosseiro com os demais componentes da mesa, numa mistura de soberba, messianismo e histrionismo, Dedé ergueu o braço e o interpelou, da plateia: “Olavo, por favor, defina um triângulo”. Nem Olavo de Carvalho, nem a plateia entendeu direito. – Como é? Pode repetir. “Apenas eu gostaria de ouvir você definindo o que é um triângulo”, confirmou Dedé Ferlauto, diante de rostos atônitos e de um Olavo de Carvalho estupefato. Olavo gaguejou, depois resmungou, maneou com cabeça para a plateia numa tentativa de ridicularizar o interlocutor (conseguiu alguns risinhos cúmplices de seu fã clube) e, tentando encerrar, disse: – Desculpe, não entendi qual é o ponto. Alguém mais… “O ponto”, continuou Dedé, “é que você critica a imbecilidade mas não conseguiu definir rapidamente um mero triângulo”.

Diante do evidente desconforto no local, Dedé levanta e sai da sala com aquele sorriso sacana de quem tinha feito o renomado “filósofo” cair numa armadilha de koan. Esta lição eu nunca esqueci: diga o que disser, tudo que o vem de Olavo de Carvalho é elaborado, pensado, empacotado e vendido sob medida para convencer.

Olavo não é um filósofo, é apenas um propagandista da extrema-direita. Quem o enfrenta e o instiga a pensar “fora de caixa” só encontra nele ressentimento, reação sarcástica, violência verbal ou terminologia chula. De raciocínio lento e com baixa capacidade cognitiva, Olavo de Carvalho é um guru que não consegue “definir um triângulo” – um simples polígono de três lados – se o triângulo não estiver no seu script.

Que o caminho seja iluminado

Henri e Hellen

Todas as cartas de amor são ridículas, escreveu Álvaro de Campos.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.”

Aí Luis Fernando Verissimo disse (e não é falsa atribuição porque conheço a citação há quase trinta anos, antes da popularização da internet no Brasil): “Mas eu desconfio que a única pessoa livre, realmente livre, é a que não tem medo do ridículo”.

Continuo assim: foram 2.318 dias, o que dá 331 semanas (e 1 dia), ou 6 anos, quatro meses e 5 dias que eu e Hellen escolhemos ser um casal – não, nunca contei os dias: este site ajudou. A partir deste 15 de outubro, passamos a viver em casas diferentes e, assim, jogamos luz no recôndito ao anunciar ao círculo de amigos e amigas a nossa “separação” – essa senhora tão vetusta quanto anúncios de tal natureza. Mas ao inverso do “comunicado à sociedade” de noivados e bodas, publicado nos jornais do passado (que, por acaso, continuam a circular até hoje), é na internet que publico este ridículo e, portanto, amoroso aviso. Como na cultura mexicana, desejo una buena muerte a esta fase de nossas vidas para que dela a gente se reinvente pelo caminho. E que o caminho seja iluminado.

Herbert Vianna, na saudade irremediável de Lucy, escreveu: “Se eu não te amasse tanto assim | Talvez perdesse os sonhos | Dentro de mim | E vivesse na escuridão | Se eu não te amasse tanto assim | Talvez não visse flores | Por onde eu vim | Dentro do meu coração | Hoje eu sei, eu te amei | No vento de um temporal | Mas fui mais, muito além | Do tempo do vendaval”.

Gilberto Gil escreveu para Sandra: “O amor da gente é como um grão | Uma semente de ilusão | Tem que morrer pra germinar | Plantar nalgum lugar | Ressuscitar no chão | Nossa semeadura | Quem poderá fazer aquele amor morrer | Nossa caminhadura | Dura caminhada | Pela noite escura (…) | Não pense na separação | Não despedace o coração | O verdadeiro amor é vão | Estende-se infinito | Imenso monolito | Nossa arquitetura”.

Hellen Miranda foi o desafogo, o ardor, o desafio e a dor aplacada de ter me dado, por sem quem é, as coordenadas pra eu retomar o rumo quando estava à deriva. Depois, tornou-se em mim a felicidade da madurez na escolha adulta de construir um lar. Agora é família – daquela natureza linda dos amores e amizades que não se fazem, e sim se reconhecem. Sendo família, é para sempre. Sendo escolha, é o orgulho de lhe ter tido como companheira e de merecer estar do lado dela noutras caminhaduras no futuro.

Seja feliz, meu amor, minha amiga. Se merecemos a zombaria por sermos ridículos, também merecemos cada lágrima de despedida, cada riso nervoso mas também de alívio e expectativa pelo que nos espera ali adiante. Cada arfada que oxigena e cura, cada lufada de novos ares, cada hálito desejado que nos fará daqui a pouco relembrar e reviver o quanto é bom ser querido e querer livremente.

Sem cinismos nem abandonos. Não precisamos de clemência, explicações nem indulgências. Sempre admitimos: fomos culpados, sim. Amar continua sendo subversivo quando acontece na pele, na carne e na alma – fora da sacralização das palavras rituais. É preciso morrer pra germinar. Ou, como disse Adélia Prado no final de um poema chamado “Leitura”:

“Eu sempre sonho que uma coisa gera,
nunca nada está morto.
O que não parece vivo, aduba.
O que parece estático, espera.”

ROSSETTO E ANA AFFONSO – Depois de 20 anos a nova “chapa pura” do PT ao governo do RS, com a aliança fundamental do PCdoB

Ana e Rossetto

A vereadora e professora Ana Affonso e o sociólogo, ex-vice-governador e ex-ministro Miguel Rossetto. | Foto: Ubirajara Machado

Por Daniel Adams Boeira*

O Partido dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul homologou no domingo, 5 de agosto, em sua Convenção Estadual, as chapas majoritária e proporcional para a disputa no estado neste ano de 2018. O Clube do Comércio, local que sediou o encontro partidário, é simbólico: nele, da década de 20 à de 60 do século XX, os maiores oradores e líderes da política gaúcha fizeram discursos da sacada para o público que se espalhava pela Rua da Praia, em frente à Praça da Alfândega. Os mais de 600 delegados e delegadas do PT-RS saíram do Clube do Comércio unificados para a décima eleição que o partido disputa no Rio Grande do Sul (sem contar a de 1989, quando o RS foi determinante para levar Lula ao segundo turno contra Collor).

Após acordo com o aliado histórico PCdoB, anunciado na segunda-feira, 6 de agosto, a pré-candidata Abigail Pereira (PcdoB) ao governo do RS abriu mão da disputa para ocupar a pré-candidatura na segunda vaga para o Senado, ao lado do senador Paulo Paim (PT) que busca a reeleição. E o PT, ora veja, volta a apresentar uma “chapa pura” ao governo do estado. A última vez em que isso ocorreu, em 1998, significou a primeira vitória estadual do partido, liderado então por Olívio Dutra tendo como vice o atual postulante petista ao comando do Palácio Piratini.

A chapa ao governo do estado está composta pelo sociólogo Miguel Soldatelli Rosseto para governador e a pela professora Ana Affonso para vice-governadora. Ambos carregam consigo signos importantes de militância partidária e respeitáveis trajetórias políticas dentro do partido e nos cenários políticos regional, nacional e internacional. Construíram toda a sua trajetória de militância no Partido dos Trabalhadores. Pertencem a gerações distintas, Rossetto com 58 anos e Ana Affonso com 45. No entanto, ambos marcam uma importante renovação partidária, pois sucedem os candidatos e ex-governadores Olívio Dutra (1999- 2002), de quem Rossetto foi o vice quando era ainda mais jovem do que Ana; e Tarso Genro (que governou de 2011 a 2014). Olívio e Tarso foram forjados na luta civil, urbana, acadêmica e sindical, contra a ditadura midiática-civil-militar brasileira que perdurou de 1964 a 1985. Olívio foi fundador do PT e Tarso ingressou na legenda em meados dos anos 80. Miguel Rossetto iniciou sua militância já na fundação do PT, no início dos anos 80. Ana Affonso, por sua vez, inicia sua atuação partidária em meados dos anos 90. Ambos já tiveram mandatos parlamentares: Miguel foi deputado federal eleito no pleito de 1994. Ana foi vereadora de São Leopoldo por dois mandatos (2005-2008, 2009-2010) e foi eleita deputada estadual no pleito de 2010. Atualmente, Ana está no terceiro mandato como vereadora e dá um passo importante na sua luta política ao assumir a pré-candidatura a vice-governadora.

Uma das destacadas afinidades entre Miguel e Ana é que eles têm relações políticas e tiveram domicílio eleitoral em São Leopoldo, cidade mais antiga do Vale do Sinos e da qual se desmembraram, por emancipações em sequência desde o século XIX, a maioria das cidades da região. Rossetto nasceu em São Leopoldo, em 1960, reside em Porto Alegre desde os anos 90, e iniciou sua militância estudantil e sindical sendo fundador e dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) – a maior central sindical da América Latina e a 5ª maior do mundo. Também foi presidente do Sindipolo – Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Polo Petroquímico de Triunfo, de 1986 a 1992. Os pais de Rossetto são de origem italiana e vieram dos Campos de Cima da Serra para São Leopoldo.

Já Ana Affonso nasceu em Maldonado, no Uruguai e veio ainda meninota para o Brasil, sendo, portanto, uma cidadã brasileira. Os pais de Ana, sindicalistas, trouxeram a menina acompanhada dos irmãos mais velhos para São Leopoldo – onde é professora da rede pública municipal com mais de 25 anos de magistério, tendo sido também presidente do Ceprol-Sindicato, das professoras e dos professores municipais.

Ambos, Miguel Rossetto e Ana Affonso, foram forjados na luta social e sindical nessa importante e dinâmica cidade da imigração alemã originária no Brasil e de importância histórica para o estado e para a luta dos trabalhadores. São Leopoldo é terra de imigrantes e seus descendentes, não só alemães – tem na cultura da diversidade, e da tolerância ao diferente, uma das suas marcas e valores. O lema, inclusive, revela: “Fé, Cultura e Trabalho”. O município, situado a 34 quilômetros da capital, continua recebendo imigrantes – como é hoje o caso da comunidade senegalesa. É curioso porque o leopoldense Rossetto é um emigrante da cidade levado pela militância política. Desde muito jovem saiu da terra natal, morou e mora há muitos anos em Porto Alegre; durante o período como deputado federal e depois ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, em Brasília. E ainda um breve período no Rio de Janeiro.

Conhecendo Rossetto e Ana acredito, contudo, que a principal característica comum a ambos é a forma amorosa, ou a amorosidade, como dizia Paulo Freire, com que fazem política. E, principalmente, gostam das gentes. Quem não gosta de gente não deveria meter o bedelho na política.

O PT e a Esquerda gaúcha podem ter certeza de quem têm dois grandes quadros políticos muito comprometidos nessa disputa, com paridade de gênero, e com unidade programática para mudar o Rio Grande. Afinal, é isso o que o povo quer. E eu vivi para ver isso, com muito orgulho, carinho e esperança. Aposto muito no nosso companheiro e na nossa companheira e em todos os militantes sociais para essa boa luta!

*Daniel Adams Boeira, licenciado em Filosofia na UFRGS, é professor da rede pública estadual de São Leopoldo. Ativista na luta ambiental, cultural e da educação. É militante orgânico do Partido dos Trabalhadores.

Post original, de 7 de agosto de 2018, aqui.

WILD WILD COUNTRY – Um debate entre amig@s sobre o documentário da Netflix sobre Rajneesh (depois conhecido como OSHO), a comuna de Rajneeshpuram no Oregon (Estados Unidos). Sensacionalismo policialesco? Recorte documental de alta qualidade? Ou ambos?

Osho e Sheela

Osho e Sheela em Rajneeshpuram, na primeira metade da década de 1980.

Wild Wild Country é um documentário em seis capítulos da Netflix sobre o controverso guru indiano Bhagwan Shree Rajneesh (Osho), sua antiga assistente pessoal Ma Anand Sheela e seus seguidores mais próximos na comunidade de Rajneeshpuram, criada na primeira metade da década de 1980 ao lado da pequena cidade de Antelope no Condado de Wasco, Oregon, Estados Unidos. Foi lançado em 16 de março de 2018 após estrear no Sundance Film Festival. Dirigido por Maclain Way e Chapman Way e produzido por Juliana Lembi, “Wild Wild Country” suscita debates intensos nas redes sociais e, no entanto, quase a totalidade das reportagens da mídia tradicional se atêm apenas no recorte documental escolhido pelos diretores e numa espécie de sensacionalismo judaico-cristão que define os sannyasins (discípulos de Osho) como fanáticos seguidores de uma “seita”.

Tem sido muito difícil encontrar nas mídias digitais as opiniões, as vozes, as interpretações de quem foi ou de quem é sannyasin. Ainda que o documentário tenha como protagonistas alguns deles (que deixaram a comunidade ou que ainda mantêm o sannyas), não se vê nas reportagens recentes as opiniões de seguidores de Osho. Por isso, decidi compartilhar uma conversa que tive no meu perfil pessoal de Facebook, neste maio de 2018, com amigos e amigas que são ou foram da comunidade.

Eu postei em 17 de maio de 2018 às 2h41:

“Terminei nesta madrugada os 6 longos episódios (mais de 1h10min cada um) da série documental da Netflix ‘Wild Wild Country’ sobre o experimento da comunidade sannyasin no estado do Oregon, na primeira metade dos anos 1980. Fiz, dias atrás, um post muito emocionalmente mobilizado depois de assistir pouco mais de 2 horas (um capítulo e meio). Ainda quero muito ouvir amigas e amigos queridos que integram ou já integraram a comunidade, mas a minha primeira (e ainda precária) conclusão é de que não tem cabimento invalidar essa fantástica série documental sem ter visto até o último minuto do último episódio.Espero pela finalização do livro do homem que foi o advogado pessoal de Bhagwan Shree Rajneesh e o último prefeito da cidade criada no Oregon. Considero desde já (ignorante que era e que sou) Ma Anand Sheela uma das figuras femininas mais notáveis do século XX – num patamar talvez superior ao de Lou Salomé em sua amizade e colaboração com Nietzsche, Freud e Rilke. Com humildade, e como homem que estudou e foi forjado profissionalmente na indústria cultural da televisão, me reconheço tocado e influenciado pela narrativa audiovisual. Mas também tocado pela grande dimensão humana das pessoas que protagonizam esse documentário. Portanto, gente, acho que Wild Wild Country cumpre e cumprirá um papel importante na difusão, mesmo que pelo viés mais polêmico e escandaloso, dos ensinamentos de Osho. E aqui fica um aceno e um convite para falar presencialmente disso a amigos e amigas (Sérgio Katia) que têm neste momento um sentimento ou uma abordagem mais crítica em relação a esse produto de mídia. Nada que leio na mídia digital, por mais elaborado que seja o texto, se aproxima da experiência dos meus amigos e da minha própria experiência de vida com os ensinamentos e as técnicas difundidas por Osho e os sannyasins.”

[Aqui o link]

Depois de alguns breves comentários de queridos amigos simpáticos ao meu post, começa o debate:

INÊS BERTI: “Bom isso Henri Figueiredo. Osho foi um mestre que mexeu exatamente nesta ferida judaico-cristã que temos, que diz que um mestre tem que andar de pés descalços e etc e tal. Ele foi controverso sim, e nunca escondeu seu lado humano com todas as fraquezas que isto acarreta. Gostei dos episódios, mas acho que foi apenas a parte folhetim americano que apareceu, nada sobre o imenso legado sobre auto transformação, terapias e meditação que ele proporcionou e que ainda são tabus hoje em dia. Conheci uma pessoa que foi ao Oregon e a visão dela era muito maior que isto. Basta ver o depoimento do Niren (advogado), pra ver como era e é a vida de muita gente antes e depois de conhecer-se melhor através de tudo o que Osho trouxe. Eu e Eduardo Krug estivemos em Poona em 1998 de foi algo muito transformador em todos os sentidos na nossa vida. Eu tb tive um impacto muito negativo quando cheguei lá, mas fui literalmente dobrada ao avesso pra poder me entregar a mim mesma e quebrar este conceitos tão arraigados que temos aqui no ocidente. Todas as terapias que fiz a partir disso foram legados maravilhosos trazidos por ele. Lá em 98 o centro de Poona já tinhas terapias de ponta que agora estão chegando aqui. Osho dizia que a nossa mente ocidental judaica-cristã é muito dura e fechada, assim como nosso corpo, preconceitos, etc. e que é necessário mexer profundamente nisso para que cheguemos à meditação. E tudo que o mundo capitalista proporciona pode ser usado para beneficiar as pessoas de um jeito muito maior que apenas o consumismo material. Lá em Poona, por exemplo, eles recuperaram um lixão imenso e fizeram um super parque que agora tem águas limpas, vegetação recuperada, animais, e é usado pelos visitantes do asharam e aberto a toda a população. Um trabalho lindo de ver e assim muitas outras coisas. Tenho a dizer que fui muito crítica tb em relação a tudo isto, mas tenho que admitir que foram as melhores coisas que me aconteceram na vida e se me sinto uma pessoa melhor e mais conectada devo a esta maravilhosa senda.”

SÉRGIO VELEDA, ao seu melhor estilo, põe lenha na fogueira e sobem as labaredas:

“Sheela era uma psicopata, fria, não gostava de meditar. Mas como os psicopatas, era ousada, empreendedora, vivamente ativa, rebelde. Foi ela com sua determinação quem criou a comuna no Oregon (EUA) e levou Rajneesh para lá. Eles foram além da conta pois uma sensação de que “somos os melhores”, uma clara atitude narcisista coletiva, afrontou uma comunidade careta, pacata, limitada, em um confronto exagerado e desnecessário. Poderia ser de outro modo mas foi excessivamente confrontadora com aquela gente naquele fim de mundo. O projeto de ajuda ao mendigos de rua não foi nem de perto um gesto caridoso, mas intencional, maquiavélico, com um interesse político. Em poucas palavras eu acho que os sannyasins sempre se acharam especiais, do tipo “somos os melhores”. De fato parte disso era verdade, mas não completamente. Os sannyasins alemães que coordenavam o ashram na Índia, no começo, eram muito meticulosos e faziam tudo com grande qualidade. Sheela era exigente e queria o melhor para Rajneesh. Tudo era feito com esmero, qualidade, precisão. Nem mesmo a comunidade de Esalén na Califórnia, que também representou um renascimento cultural, humano e terapêutico chegou a dimensão do trabalho dos sannyasins. Até hj ninguém fez nada parecido. Não estou nem falando no trabalho de vanguarda de Osho, que foi um dos poucos guias que conseguiu fazer uma das melhores síntese entre Oriente e Ocidente, de Freud, Jung, Reich à Buda, Ramana, Lao Tzu… No Brasil eu participei ativamente do movimento nos anos 80. Tomei o discipulado, pratiquei muita meditação ativa, muitos grupos, fortes, de confrontos, que unia Gestalt, Psicodrama, Reich; corpo, sexualidade, meditação, silêncio. Rajneesh era um pai permissivo. Rajneesh falava de um lugar muito alto. Não é possível compará-lo facilmente com algum outro, pois era de uma inteligência rara e uma visão amplificada. Daí que os discípulos no nível inferior de consciência que viviam acabavam por tomar ao seu modo o que dele ouviam. Ficaram conhecidos por uma rebeldia única. Mas tinha muito psicopata no meio. Muito mesmo. Vi, vivi, ouvi, coisas do absurdo e do inimaginável. Mas não eram falsos. E o dizer e fazer a verdade também se tornava agressivo, insensível, psicopático também. Perdão pelo comentário longo Henri Figueiredo. Por fim, acho que merecia esse documentário ser visto de outro ângulo; desde a contribuição dada por Rajneesh ao mundo. Ele ficou tão famoso que virou confusamente literatura de auto-ajuda. Moda mercantil da espiritualidade New Age. Mas o documentário ao nível do Netflix cai no sensacionalismo policialesco. O documentário só é interessante para se saber que existia ao final, e todo mundo sente ao vê-lo, algo maior que não foi contado em termos da contribuição de Osho. Agora falo Osho pois me relacionei com o Rajneesh muitos anos. Faltou algo importante!!!! Que os EUA envenenaram Osho, como no passado já tinham matado Wilhelm Reich na prisão.”

EVÂNIA REICHERT pondera e aponta o que, talvez, seja a grande falha da série documental da Netflix:

“Eu gostei muito de ver. Assistimos tudo, uma parte atrás da outra. Estava certa que em algum momento também seria abordado o inovador trabalho que Osho aportou ao mundo terapêutico, além dos caminhos espirituais propostos por ele. Quando terminou a última parte, senti uma indignação, pois o filme mostrou apenas uma parte da história. Nada, absolutamente nada, foi dito do grande trabalho, muito bem descrito por Sérgio, acima, que nasceu desta incubadora criativa. Se 20% do documentário remetesse a este ponto, seria quase uma obra prima documental. Mas… faltou uma parte importante, essencial, ao meu ver. Para os quem nada sabem do tema, ver esse documentário constrói uma ideia muito equivocada do assunto. Pessoalmente, nunca me envolvi com Osho diretamente, pois na época estava na luta política e cultural. Eu tinha total identidade com Reich, que unia o caminho do autoconhecimento com a sociologia. Reich era um homem de esquerda e libertário em todos os sentidos, pessoais e sociais. Eu não tinha qualquer alinhamento ideológico com os sannyasins, mas compartilhava os mesmos anseios de liberdade criativa, o confronto à caretice pseudo-moralista da época e os inovadores trabalhos psico-corporais. Eu não gostava de muita coisa que via em alguns grupos, em raros momentos de convívio, tais como condutas antiéticas, veneração compulsiva por mestres, mas especialmente não aceitava verdadeiros abusos de toda ordem em nome da “liberdade”. Mas… friso, já na época, eu sabia que nada disso tinha a ver com Osho, mas com as pessoas e seus equívocos e suas projeções e distorções. Mesmo não me enturmando com os grupos que cruzei – talvez pudesse ter sido diferente se cruzasse por outros grupos, em outro lugar – sempre achei genial e ainda hoje muito aprecio o que nasceu deste movimento em termos de recursos terapêuticos, música e arte. Todas as coisas de Osho são bem feitas, revelando genialidade, inteligência, muita criatividade, grande talento, inovação. É uma maravilha o que esse grupo de seguidores de Osho produziu em termos de música, arte e terapias inovadoras. É realmente impressionante. É genial. O fato de nada disso ter sido sequer citado no documentário é um erro grave. Teria sido genial, histórico, de grande contribuição. Faltou pouco, mas esse pouco é o grande feito de Osho.”

INÊS BERTI:

“Também achei isto. Fiquei esperando q documentassem tb a parte mais fundamental do legado dele mas… como digo foi apenas um folhetim policialesco bem a gosto norte-americano.”

KATIA MARKO:

“Concordo com o Sérgio e a Evania em suas análises. Eu não vivi esta época. Fui ler o primeiro livro do Osho em 1991 e me apaixonei. Sou sannyasin desde 2003, a partir da minha experiência terapêutica no Namastê. Vivo há 10 anos com minhas filhas e mais 80 amigos na Comunidade Osho Rachana. E essa é a minha experiência e ligação com o Osho, que sim foi um rebelde que não carregava bandeiras. Ele construía e desconstruía. Era controverso, provocador e colocava o dedo na ferida. Não se identificava a nenhum ‘ismo’. Acreditava profundamente no ser humano e no seu desenvolvimento através do amor! Espero que esse debate sirva para resgatamos o seu verdadeiro legado ao mundo, assim como o de Reich, tão necessários para esse estado de coisas que estamos vivendo no mundo.”

RAMONA BARCELLOS:

“Queridos, obrigada! Estou adorando acompanhar os relatos e pontos de vista de vocês! A questão documental é a que mais refleti no decorrer dos episódios. Eu conhecia pouco da história toda. Então de certa forma com a minha ignorância seria mais fácil cair em certas armadilhas. Por isso permaneci muito atenta aos detalhes e truques de audiovisual (que acabei aprendendo quando trabalhei com audiovisual nessa minha vida profissional nômade) usados pra emocionar, tendenciar e levar o espectador. E de cara isso me incomodou muitoooo pois passei a assistir desconfiada, fica escrachado que estavam “limpando” a imagem de Sheela. Não sei quem exatamente encomendou esse documentário, mas é visível que foi encomendado e com um propósito bem distinto ao de mostrar o trabalho maravilhoso do Osho/Rajneesh. Mas admiro a grandiosidade do que eles (Sheela) fizeram. É grandioso e assustador.”

MARCO FILIPIN:

“Sérgio Veleda, faço minhas suas palavras. Tomei sannyas em 89. Osho virou minha vida é um ser louco e indomável. A frente de todos. Sheela não meditava. Era obstinada pelo poder e ciumenta. Osho disse se ela não estivesse perto dele, seria um novo Hitler.”

KATIA MARKO:

“(…) o Namastê vai exibir o filme “Caminho do Coração” sobre a construção da Comuna do Oregon. https://www.facebook.com/events/1603541766425155/?ti=cl \”

EU CONCLUO neste post:

E você? Já viu o documentário? O que achou deste rápido bate-papo? Espero teu comentário.

E pra não dizer que nada que li me pareceu válido, dou o link de um excelente texto de SUSANA ROMANA sobre a série documental “Wild Wild Country” que, apesar de usar o termo ‘seita’ no título, vale a leitura.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: